A Escalada dos Preços de Energia

por Cristina
0 comentário

Apesar de apenas das últimas semanas se ter dado muita importância à subida dos preços de energia, os valores estão anormalmente altos desde abril/maio deste ano.

Na passada sexta-feira esta subida já se fez também refletir nos preços do mercado regulado. Ou seja, de forma indireta já estamos todos a pagar por este efeito através dos nossos impostos.

Mas afinal o que está por trás desta subida?

Em Portugal a base do diagrama de consumo de energia elétrica é compensada, maioritariamente, através de produção renovável. Energia esta que tem um custo muito inferior ao valor de fecho de mercado (valor que marca o custo de energia para cada hora). No entanto, as pontas e os picos, para os quais não existe produção renovável suficiente, são preenchidos pelas centrais de ciclo combinado. A fonte de energia das centrais de ciclo combinado é o gás natural. Este é o principal fator que tem influenciado o preço da energia elétrica (há outros, mas este é o que tem maior impacto).

O gás natural chega à Europa através de gasoduto ou através de barco. Para além dos gasodutos atualmente em funcionamento (incapazes de suprir a totalidade das necessidades) existe um novo gasoduto, o Nord Stream 2, totalmente construído que liga a Rússia à Alemanha e que, por questões geopolíticas, ainda não está em funcionamento.

A China está a pagar cerca de 1/3 a mais do que a Europa pelo gás transportado por via marítima, normalmente GNL. Ou seja, os produtores vão naturalmente preferir vender este gás para a China. Somos assim abastecidos, maioritariamente, por gasoduto que tem um custo superior.

Este efeito do mercado de gás natural começou a sentir-se a partir de abril, altura em que os preços tipicamente estariam a baixar, com o início do tempo mais ameno. No entanto, o inverno foi rigoroso no norte da Europa e durou mais do que o costume. As reservas de gás natural ficaram baixas e ficamos à espera que o preço baixasse para se começar a comprar para armazenar. Como o preço não baixou (devido ao efeito da China que já falei e do facto do Nord Stream 2 não ter entrado em operação), foi-se comprando apenas o essencial.

Neste momento as reservas estão muito baixas e o inverno aproxima-se. Entramos assim perante um mercado muito influenciado pela especulação.

 

A principal questão é até onde é possível ir. Em Portugal precisamos do gás natural principalmente para a indústria e para produção de energia elétrica. No norte da Europa o gás é essencial para a sobrevivência.

Deixa um comentário

* Ao submeter este formulário, concordo com o armazenamento destes dados, para este efeito, por este website.

Artigos Relacionados

Este website utiliza cookies para melhorar a tua experiência de navegação. Ok Ler Mais