CARÁTER DE I&D DE UM PROJETO

por SEIbySus
0 comentário

Como podemos considerar se um projeto tem características de Investigação e Desenvolvimento (I&D)?

O Manual de Frascati [1] define Investigação e Desenvolvimento Experimental (I&D) como compreendendo o trabalho criativo e sistemático, em ordem a aumentar o stock de conhecimento e identificar novas aplicações para o conhecimento disponível.

O Manual considera que deverão ser satisfeitos cinco critérios para se poder considerar que um projeto reúne as características de I&D:

  • Novidade
  • Criatividade
  • Incerteza
  • Ser sistemático
  • Ser Transferível e/ou Reproduzível

Analisemos cada um dos critérios:

Novidade – Um projeto de I&D terá de conduzir a novo conhecimento. A atividade de I&D deverá resultar em novas descobertas, que sejam novas para um dado setor industrial ou que ainda não estejam a ser utilizadas nesse setor. Novas ideias e conceitos na conceção de produtos ou processos são incluídos no conceito de I&D.

Criatividade – Um projeto de I&D tem de ter como objetivo novos conceitos para melhorar o conhecimento existente. São, pois, excluídos de I&D as mudanças de rotina de produtos e processos.

Incerteza – Um projeto de I&D envolve incerteza, que tem múltiplas dimensões. O tipo de resultado e o custo podem não ser completamente determinados à partida. Poderá existir incerteza relativamente ao tempo necessário para atingir os objetivos. O risco de falha é necessariamente significativo.

Sistemático – Um projeto de I&D tem de ser sistemático no sentido de ser planeado, com registo do processo e do resultado obtido. O propósito e as fontes de financiamento do projeto têm de ser identificadas.

Transferido e/ou Reproduzível – Um projeto de I&D deverá resultar na possibilidade de transferência do novo conhecimento, e permitir que outros investigadores reproduzam os resultados como parte das suas próprias atividade de I&D. Os resultados não podem ficar apenas na cabeça de alguns investigadores. Poderão, no entanto, ser protegidos por propriedade intelectual, mas de qualquer modo estarão registados para serem utilizados por outros investigadores.

 

Relativamente a estes critérios importa destacar os referentes à Novidade, à Incerteza e à Transferência do novo conhecimento.

No critério da Novidade sublinha-se a criação de novo conhecimento, quer seja na conceção de um produto, serviço ou processo.

No critério da Incerteza convém sublinhar as incertezas de natureza técnica e científica dos resultados do projeto, ou seja, o de existir algum risco associado à obtenção desses resultados. O projeto deverá incluir sempre uma análise de risco, com a identificação de possíveis riscos e a forma de os mitigar.

O critério da Transferência do novo conhecimento também é central para a caracterização de um projeto como de I&D. De facto, é fundamental que o conhecimento resultante do projeto passe para outros investigadores ou mesmo para quem tenha capacidade de o transformar num novo produto ou serviço.

 

A título de exemplo, demonstra-se a avaliação de projetos da área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), segundo os critérios apresentados, para se concluir sobre o seu carácter de I&D, utilizando para isso um conjunto de questões:

Quais os objetivos do projeto? – O projeto deverá ter objetivos que incluam a criação de novo conhecimento. Se não há uma perspetiva de expandir o estado da arte, o projeto deverá ser excluído (critério da Novidade).

O que há de novo relativamente a este projeto? – O projeto deverá apresentar uma perspetiva criativa, tal como de novas aplicações para o conhecimento científico existente ou novas utilizações de tecnologias existentes (critério da Criatividade).

Quais os métodos utilizados na prossecução do projeto? – Os métodos utilizados na investigação científica e tecnológica deverão endereçar a incerteza nos resultados finais do projeto. A incerteza pode incidir sobre a quantidade de recursos e de tempo necessários para atingir os objetivos planeados. A escolha do método pode fazer parte da criatividade do projeto e de como lidar com a incerteza (critérios Criatividade e Incerteza).

 

Projeto com carácter de I&D – Projeto S1

Quais são os objetivos do projeto?

O projeto S1 tem como objetivo desenvolver módulos de emissão-receção optoeletrónicos baseados em Circuitos Integrados Fotónicos para redes de telecomunicações de acesso em fibra ótica (para ligação de clientes finais). O projeto envolve a integração de componentes como lasers, amplificadores óticos, moduladores e filtros, utilizando uma arquitetura inovadora.

O projeto tem uma abordagem ambiciosa no sentido de expandir o estado da arte visando a redução da dimensão dos circuitos óticos e eletrónicos usados em emissores-recetores e terminais de rede.

O que há de novo relativamente a este projeto?

O projeto S1 apresenta uma arquitetura de integração inovadora e constitui também uma aplicação inovadora para redes de acesso em fibra ótica.

Embora já existindo no mercado Circuitos Integrados Fotónicos, a sua aplicação em redes de acesso, que têm requisitos em termos de baixo custo (pelo volume de equipamentos que necessitam) e de terem de suportar grandes variações de temperatura, constitui uma inovação significativa.

Este facto tem implicações no desenvolvimento de novas técnicas de gestão de dissipação de calor no encapsulamento dos emissores-recetores optoeletrónicos e de circuitos eletrónicos, com elevada densidade eletrónica.

Quais os métodos utilizados na prossecução do projeto?

O projeto compreende um conjunto muito significativo de incertezas de natureza técnica e científica que podem condicionar o desempenho e a funcionalidade do Circuito Integrado Fotónico pretendido. Para isso o projeto necessita de um plano de contingência e de mitigação de riscos.

 

Projeto sem carácter de I&D – Projeto N1

Quais são os objectivo do projeto?

O projeto N1 visa criar uma solução para oferta de um serviço de apoio ao desenvolvimento rápido e validação técnica de soluções IoT (Internet of Things). O projeto inclui a realização de protótipos sob a forma de laboratórios no âmbito de Smart Cities e da Smart Industry.

O projeto pretende criar um serviço para oferecer a empresas, que permita acelerar a adoção de soluções de IoT, através do apoio ao desenvolvimento e testes para validação dessas soluções.

Relativamente ao estado da arte não há propriamente um avanço, pois existem múltiplas soluções no mercado que permitem oferecer este tipo de serviço.

O que há de novo relativamente a este projeto?

As propostas de inovações apresentadas de apoio ao desenvolvimento de novas soluções IoT e processo industrial de teste, não são apresentadas com a necessária fundamentação técnica.

Existem inúmeras soluções no mercado que fornecem este tipo de serviços.

As tecnologias que serão aplicadas não são recentes, e a sua utilização no projeto não carecem de grandes inovações. Pelo que se considera que o projeto não tem carácter inovador.

Quais os métodos utilizados na prossecução do projeto?

O projeto não inclui incertezas de natureza técnica e científica dado que utiliza tecnologias já dominadas e com múltiplas aplicações no mercado.

 

Projeto com carácter de I&D – Projeto S2

Quais são os objetivos do projeto?

O projeto S2 pretende desenvolver uma construção modular pré-fabricada com elevado desempenho acústico.

O projeto tem um caráter inovador e suficiente margem de progresso para além do estado da arte.

O que há de novo relativamente a este projeto?

O projeto S2 apresenta uma solução integrada, baixo LCC (Life Cycle Cost) relativamente às soluções existentes, permitindo assim uma aplicação alargada.

O projeto apresenta a junção de tecnologias para um fim ainda não utilizado.

 

Quais os métodos utilizados na prossecução do projeto?

O projeto apresenta um boa descrição e sistematização do como se pretende efetuar o seu desenvolvimento, assim considera-se que com a metodologia preconizada é possível chegar aos objetivos definidos.

 

Projeto sem carácter de I&D – Projeto N2

Quais são os objectivos do projecto?

O projeto S2 visa o desenvolvimento de um sistema de tratamento que utiliza um conjunto de tecnologias existentes, não sendo explicito o seu carácter inovador.

O que há de novo relativamente a este projecto?

Não é possível verificar o que existe de inovador no projeto descrito além de se uma novidade para a empresa dado ser uma distinta área de atividade, há atual que a empresa desenvolve.

Quais os métodos utilizados na prossecução do projecto?

O projeto não inclui incertezas de natureza técnica e científica dado que utiliza tecnologias já existentes no mercado.

 

Bibliografia

[1] Frascati Manual 2015: Guidelines for collecting and reporting data on research and experimental development, OECD Publishing, Paris

 

João & Susana

Deixa um comentário

* Ao submeter este formulário, concordo com o armazenamento destes dados, para este efeito, por este website.

Artigos Relacionados

Este website utiliza cookies para melhorar a tua experiência de navegação. Ok Ler Mais